Categorias
Tecnologia

Saiba criar uma senha segura e fácil de lembrar

Neste artigo você vai aprender como criar uma senha segura e fácil de lembrar

A evolução da tecnologia e aumento do poder de processamento trouxeram alguns benefícios para a humanidade.

Junto com esta evolução vieram também um grande problema: as senhas comuns ficam cada vez mais inseguras e fáceis de ser quebradas por pessoas mal-intencionadas.

Como se proteger de forma adequada

Quando se pensa em uma senha, existe o dilema da praticidade com segurança. Senhas complexas em geral oferecem uma segurança maior, mas são mais difíceis de ser lembradas; já as senhas simples são exatamente o contrário.

Isso ainda piora com uma das principais dicas do mercado para a criação de uma nova senha, que diz que nunca se deve usar a mesma palavra-chave em dois serviços diferentes. A razão, é muito simples: se o hacker invadir seu Facebook, também terá acesso à sua conta de e-mail, Twitter, e qualquer outro cadastro que você tenha.

Para criar uma senha complexa, mas que seja simples de ser memorizada, existem algumas técnicas diferentes, que citamos a seguir:

O Google dá diversas dicas entre as quais estão evitar palavras disponíveis em dicionários ou sequências simples como “123456”. A orientação da empresa é usar uma mistura de letras maiúsculas e minúsculas, com números e símbolos. Mas como tornar isso fácil?

A ideia é pegar uma frase longa, mas que signifique algo para você como “eu gosto de chocolate e futebol” e transformá-la em uma senha com substituições por números e símbolos como “[email protected]!”.  É um primeiro passo, mas se for possível adicionar espaços entre as palavras, é ainda melhor, como “Eu G0st0 De [email protected] E Futeb0l!”.

Já a Intel e a McAfee vão por outro caminho para tornar a vida do usuário mais simples. Em um infográfico divulgado pelas empresas, um exemplo dado é a senha “My 1st Password!” (“minha 1ª senha” em inglês), que alterna letras maiúsculas, minúsculas, números e símbolos e ainda conta com os espaços, o que ajuda a complicar a vida do hacker um pouco mais, mesmo sendo uma senha extremamente fácil de ser lembrada.

As empresas dizem que uma frase longa é mais eficiente do que uma senha curta com caracteres aleatórios para bloquear os ataques de força bruta para quebra de palavras-chave.

Já para quem prefere fugir da simplicidade por completo, o ideal é achar um método seguro para guardar suas senhas, já que é muito improvável lembrar de algo como “K3H46m2uvUvQTYQKZGmr5Cmc”. Gerenciadores de senha são excelentes para guardar esses dados, mas também requerem uma senha-mestra de respeito para evitar que qualquer um tenha acesso a todas as suas senhas pessoais.

Por isso, mantenha uma cópia por escrito da sua senha em uma folha de papel, mas não a deixe exposta em cima da mesa do escritório ou de casa para evitar bisbilhoteiros. O mesmo vale para o caso de você preferir manter todas as suas senhas por escrito.

Como saber se a senha forte?

Existe um site que mede a força de uma senha, você pode acessá-lo e testar se sua senha é forte.

As senhas listadas neste texto passaram no teste de segurança.

[email protected]!” demoraria 260 sextilhões de anos para ser quebrada, segundo o site, enquanto “Eu G0st0 De [email protected] E Futeb0l!” demoraria 7 nonilhões de anos. Já “My 1st Password!” é uma senha mais simples e demoraria apenas 4 meses para ser quebrada, mas ainda é considerada segura o suficiente para o uso no dia a dia.

“K3H46m2uvUvQTYQKZGmr5Cmc”, que é a senha mais difícil de ser lembrada, também é extremamente segura, demorando cerca de 254 quintilhões de anos para ser derrubada.

Vale lembrar que as senhas citadas neste artigo não devem ser usadas por já terem se tornado públicas. Além disso, as dicas citadas são para usuários comuns, como uma forma de proteger um pouco mais suas informações pessoais e não para corporações que precisem de mais do que apenas isso.

Adaptado da fonte Olhar Digital

Categorias
Google

Google baniu 350 milhões de anúncios irregulares em 2013

Imagem Divulgação
Imagem Divulgação

Ao longo de 2013, o Google removeu mais de 350 milhões de anúncios irregulares de seus sistemas, conforme divulgado pela companhia na ultima sexta-feira, 17. O número representa um grande salto em relação ao ano anterior, quando foram 220 milhões.

Por outro lado, a quantidade de anunciantes que foram enquadrados pela empresa caiu consideravelmente, indo de 850 mil em 2012 para 270 mil no ano passado.

Também houve redução quanto aos golpes envolvendo falsificação. Se em 2012 já havia ocorrido queda de 47%, em 2012 o declínio foi de 82%. Talvez por causa disso também diminuíram (em 78%) as reclamações sobre esse problema.

No último ano, o Google baniu algo em torno de 14 mil anunciantes por tentarem vender falsificações pelos sistemas da gigante de buscas, uma queda superior a 80% em comparação com 2012.

Via: Olhar Digital

Categorias
Tecnologia

Apple trabalha em tecnologia capaz de analisar sangue dos usuários

Não é só o Google que tenta entrar na área da tecnologia vestível para monitoramento da saúde, com suas lentes de contato inteligentes. Uma rival de peso também estaria prestes a concorrer nesta área e o nome desta empresa é Apple, que está contratando especialistas em tecnologia médica para supostamente aplicar seus conhecimentos no tão especulado “iWatch”, o relógio de pulso inteligente.

Para avançar neste campo, foram contratados Nancy Dougherty, de uma startup chamada Sano Intelligente, e Ravi Narasimhan, de uma empresa chamada Vital Connect, que produz dispositivos médicos.

Nancy Dougherty era responsável por um produto ainda não lançado em sua antiga empregadora, capaz de analisar o sangue do seu usuário, sem precisar espetar uma agulha. Trata-se de uma espécie de adesivo áspero, que lê os níveis de glicose nos vasos sangúineos e pode ser muito útil para pessoas com diabetes que não pretendem furar seu dedo múltiplas vezes ao dia.

Comparando com a proposta do Google de implantar uma tecnologia semelhante no olho do usuário com a lente de contato inteligente, a Apple deve sair na frente. Isso porque provavelmente a implantação de um hardware no olho de uma pessoa deve requerer muitas regulamentações, o que não deve sair rápido.

Já Narasimhan gerenciava equipes que desenvolviam biosensores, capazes de contar o número de passos do usuário, medir temperatura da pele e taxa de respiração e seria capaz de detectar quedas. A tecnologia seria útil para alertar familiares de pessoas idosas e também chamar ambulância automaticamente em caso de emergência.

Via Olhar Digital

Categorias
Notícias

Nova versão do Chrome identifica abas que tocam música

O Google liberou nessa terça-feira, 14, a versão estável 32 do navegador Chrome, que vem com uma série de novidades. Entre elas estão indicadores que revelam quais abas estão tocando música, usando a câmera ou enviando vídeos para o Chromecast.

Ícones de uma saída de áudio, um ponto vermelho e de um retângulo azul aparecem ao lado do “X” que fecha cada aba, conforme ilustrado pelo TechCrunch:

Imagem Divulgação
Imagem Divulgação

O navegador também vem com um bloqueador de malwares, que barra qualquer arquivo malicioso que tentar se instalar através do Chrome. E agora está de acordo com o design do Windows 8 em uma versão Metro, além de possuir um recurso de acesso supervisionado que ajuda pais a controlarem o que seus filhos fazem na internet.

Via: Olhar Digital

Categorias
Google

Google Analytics é indispensável no e-commerce

Imagem Divulgação
Imagem Divulgação

Google Analytics é indispensável no e-commerce

Google Analytics é indispensável no e-commerceA melhor maneira de gerenciar os seus programas de marketing com sucesso é acompanhar a performance da sua loja virtual. É super importante para o sucesso de um e-commerce conhecer exatamente quais aspectos do negócio estão performando adequadamente e quais aspectos não estão sendo bem sucedidos.

Quando o assunto é comércio eletrônico, todos esses aspectos se tornam ainda mais importantes uma vez que o varejista online não está vendo os seus clientes fisicamente.

O Google Analytics é uma ferramenta fantástica. Ele traz informações incríveis sobre fontes de tráfego, receita, top landing pages, taxas de conversão, taxa de abandono etc.

Com o Google Analytics, você tem acesso a insights poderosos sobre como os seus clientes interagem com a sua loja virtual. A partir dessas informações você poderá tomar decisões assertivas sobre melhorias necessárias para a sua loja virtual, e consequentemente aumentar as taxas de conversão de vendas, o aumento do tráfego da sua loja virtual e muito mais.

Uma métrica vital usada para medir a performance de uma loja virtual é a taxa de abandono. O Google Analytics é a ferramenta ideal para fornecer informações detalhadas sobre quais partes do seu web site está performando bem ou não nesse sentido.

Baseado nas informações sobre taxas de abandono, você pode reter visitantes, reduzir a taxa de abandono e melhorar as vendas. Essa ferramenta também irá fornecer uma grande variedade de informações sobre os seus comportamentos com os clientes, a qual você irá ganhar insighs sobre o que está funcionando e o que precisa funcionar. Através do Google Analytics, você pode determinar as fontes de tráfego bem como acompanhar a performance de palavras chaves que atraem tráfego para a sua loja virtual.

Através do Google Analytics é possível saber tudo sobre os visitantes da sua loja virtual. É possível saber qual é exatamente a sua penetração em um determinado estado do Brasil, cidade ou numa região inteira.

Entendendo seus visitantes

É possível também saber coisas bacanas, como qual fatia dos visitantes da sua loja virtual são responsáveis pela maior parte de seu faturamento, e assim corrigir estratégias de marketing digital. Exemplo: 80% do seu faturamento é oriundo dos novos visitantes. Isso significa que seu e-commerce está com um bom aproveitamento para atrair novas visitas (SEO, links patrocinados, link building, Redes Sociais etc). No entanto, seu atendimento deve estar ruim, pois se os clientes não voltam para realizar mais compras, é sinal que não estão gostando!

Através do Google Analytics, você consegue dominar o tema SEO. Aqui você consegue saber:

  • Se o SEO está funcionando, atraindo tráfego qualificado em sua loja;
  • Se suas campanha de links patrocinados está correta, tomando parâmetros para sua correção;
  • Quais palavras chaves geram mais compras;
  • Quais sites de referência (redes sociais, blogs parceiros e etc..) geram melhor retorno;
  • Se a estratégia x aplicada na loja virtual gerou um ROI satisfatório, fazendo com que a campanha tenha valido à pena;
  • Se uma campanha promocional de e-mail marketing teve o resultado esperado.

São muitas as possibilidades de monitoramento de SEO, cabe a você decidir quais utilizar em seu e-commerce.

Através do Google Analytics é possível mensurar a efetividade do conteúdo da sua loja virtual. É possível inclusive mensurar a efetividade de um título específico para cada página de detalhe de produto. Através do Google Analytics podemos ver o faturamento total da loja, a quantidade de produtos vendidos (assim como a listagem individual de cada um), o ticket médio e muitos outros dados.

Você também consegue visualizar quais são os dias que vendem menos, criando promoções especiais para estes dias se tornarem mais movimentados.

Customizando seus relatórios

Outra coisa bacana são os filtros que você pode criar sobre desempenho dos produtos. Aqui, você consegue saber que para o produto X, 50% das vendas vieram através do Google, 33% através da promoção no portal Y, 12% de redes sociais e 5% de campanhas de e-mail marketing. Bacana, né?

Através do Google Analytics você tem ainda ferramentas de suporte a relatórios personalizados, alertas, possibilidade de criar metas e funis de vendas, e consequentemente monitorar a fundo o comportamento de sua loja virtual.

O Google Analytics é uma ferramenta indispensável para qualquer operação de comércio eletrônico que seja ser bem sucedida. Você usa o Google Analytics na sua potência máxima?

Via: Blog do E-commerce 

Categorias
Internet

Comércio eletrônico para pequenas empresas

Imagem Divulgação
Imagem Divulgação

Comércio eletrônico para pequenas empresas

O Brasil vive um momento surpreendente: quatro em cada dez adultos sonham em ter seu próprio negócio. Este dado foi constatado pelo Estudo do Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2012, que aponta a existência de 36 milhões de empreendedores no país.

Mesmo considerando que apenas pouco mais de 8 milhões formalizaram seus negócios, as pequenas empresas são a grande base de sustentação da nação. Constituem 99% dos empreendimentos e respondem por 52% dos empregos e 25% do PIB. Entretanto, são pouco inovadoras em toda a América Latina, inclusive no Brasil.

Estudo realizado há mais de dez anos pela Booz & Company mostra três estratégias básicas de inovação que podem ser adotadas pelas empresas.

Uma delas é a Need Seekers, caracterizada pela busca permanente da antecipação das necessidades dos clientes. Apple, 3M e Facebook são bons exemplos de adoção dessa estratégia.

Market Readers, por sua vez, são as empresas que buscam aperfeiçoar e trazer melhorias aos produtos e serviços existentes, aproveitando as tendências de mercado. No Brasil, a companhia aérea Azul representa bem essa categoria, e é considerada uma das empresas mais inovadoras do mundo. A empresa introduziu um novo modelo de serviços de bordo, que inclui até mesmo dezenas de canais de tevê ao vivo durante os voos.

Por fim, Technology Drivers, é o perfil típico das empresas que usam de forma intensa a tecnologia para melhorar e transformar seus produtos ou serviços, casos de Google e Amazon.

O comércio eletrônico pode (e deve) ser utilizado como base de inovação para as pequenas empresas, não somente pelas gigantescas oportunidades que existem em torno desse mercado, inclusive pelas três principais estratégias de inovação.

Um balanço do primeiro semestre de 2013, elaborado pelo e-Bit, aponta o faturamento de quase R$ 13 bilhões, representando um crescimento nominal de 24% em relação ao mesmo período de 2012. A expectativa é fechar o ano com R$ 28 bilhões de faturamento.

Entretanto, o principal ponto a se compreender sobre o e-commerce é que o modelo de negócios, as estratégias e a gestão são pontos mais relevantes que a própria tecnologia utilizada para realizar as vendas no mundo digital. Vejamos:

Modelo de vendas por assinatura. Muitos ainda pensam que essa estratégia só é utilizada para venda de conteúdos ou serviços, como o Netflix, que fornece tevê pela Internet a 33 milhões de usuários. Entretanto, o varejo on-line já comercializa uma série de produtos nessa modalidade: alimentos orgânicos, produtos regionais, vinhos e até mesmo cuecas e meias.

Mas quem nunca ficou em dúvida sobre qual produto comprar, dentre as dezenas ofertadas on-line? Muitas vezes são tantas as opções que desistimos da compra. Já pensou se uma modelo famosa te ajudasse na compra do sapato ideal para determinada ocasião? Para adotar essa estratégia, tecnicamente conceituada como Curadoria, em sua loja virtual não é preciso contratar necessariamente uma celebridade. O importante é que o curador tenha autoridade e identificação com o público.

Já Crowdsourcing é o modelo segundo o qual os produtos são elaborados com ajuda da inteligência coletiva do público. Um bom exemplo dessa prática é uma empresa especializada em venda de camisetas, que através de concursos com prêmios em dinheiro, utiliza seus próprios clientes para a criação de suas estampas.

Como estratégia de inovação, algumas lojas on-line estão atuando em mercados de nicho, como a venda de roupas e sapatos em tamanhos maiores que o usual, produtos regionais ou voltados para determinados grupos culturais ou sociais.

A oferta de produtos exclusivos também vem dando resultados. Assim, os clientes saberão que somente a sua loja é fornecedora daqueles produtos.

A venda de itens personalizados pelos próprios clientes é outra forma de aplicação inovadora do comércio eletrônico. Detalhes nas roupas, acessórios e estampas enviados pelo próprio consumidor tornam sua peça única.

Enfim, inovar é inventar algo que possa ser utilizado pelos seus clientes de forma que eles percebam o quanto sua empresa é diferente das demais. O comércio eletrônico, graças à sua flexibilidade e interação com o consumidor, pode ser o principal agente de desenvolvimento da inovação para as pequenas empresas. Mas, o mais importante é que o empreendedor tenha em si a cultura da excelência e da diferenciação. Do contrário, ele será apenas mais uma “lojinha na Internet”.

Conheça o Me Online que, tem sistema de pagamento para empresas que estão começando.

Via: Blog do E-commerce