O comércio eletrônico faturou R$ 7,8 bilhões no Brasil no primeiro semestre de 2010, uma alta de 41,2% em relação ao mesmo período do ano passado. Os dados elevam o e-commerce a um novo patamar de importância, já que ele ultrapassa as vendas dos shopping centers da Grande São Paulo.

Vale destacar que a base de comparação envolve diferentes geografias, pois os dados são nacionais para o comércio eletrônico e apenas da Grande São Paulo para shoppings. Se considerada apenas a região metropolitana para o e-commerce, o número cai para R$ 1,25 bilhão, o que não deixa de ser uma alta expressiva de quase 30% em relação ao ano passado.

A pesquisa foi desenvolvida pela Fecomercio em parceria com a empresa E-Bit.

O estudo mostrou ainda que o faturamento total do varejo na Grande São Paulo chegou a R$ 55,62 bilhões no semestre, uma expansão de 10% na comparação com o mesmo período de 2009. A expectativa é que até o final do ano, a alta seja de 7% nesta comparação, sendo 6,6% no varejo tradicional e 25% no eletrônico.

“O comércio eletrônico deverá crescer na base de 30% ao ano e, se isso ocorrer mesmo, as vendas desse segmento devem superar as de lojas de departamento e de móveis e decoração nos próximos dois anos”, analisou em comunicado Antonio Carlos Borges, diretor executivo da Fecomercio.

O comércio eletrônico é atualmente a nova força do varejo paulista. O ranking é liderado por Supermercados (34,1% do mercado), seguido por Comércio Automotivo (17,5%), Lojas de Vestuário, Tecidos e Calçados (12,5%), Lojas de Material de Construção (8,8%), Lojas de Eletrodomésticos e Eletroeletrônicos (8%), Farmácias e Perfumarias (7,9%), Lojas de Departamentos (5%), Lojas de Móveis e Decorações (3,9% )e Comércio Eletrônico (2,3%).

FONTE: m&m online