olho.jpg

São Paulo – Universidade de Washington imprime circuitos e diodos de luz em lentes e abre caminho para reprodução multimídia direto na retina.

A Universidade de Washington anunciou nesta quinta-feira (17/01) o protótipo de lentes de contatos com circuitos e sensores luminosos embutidos, o que abre campo, em longo prazo, para a reprodução de vídeos e conteúdo multimídia direto na retina do usuário.

Engenheiros da universidade usaram técnicas de fabricação em escala microscópica para imprimir os circuitos e as luzes nas lentes. Mesmo que ainda não funcionem completamente, os componentes encaixados nas frágeis lentes indicam a possibilidade de usos práticos da tecnologia.

Segundo a universidade, a nova tecnologia permitiria que pilotos vissem a velocidade do veículo projetada no pára-brisas, jogadores entrassem em mundos virtuais sem qualquer restrição de conteúdo ou usuários navegassem na internet por uma tela virtual que só eles conseguem ver.

olho1.jpg

A comercialização das lentes seria também um novo passo no conceito de realidade expandida, atualmente disponível apenas em computadores vestíveis que oferecem um pequeno monitor acoplado ao capacete que cobre completamente um olho do usuário.

O protótipo contém um circuito eletrônico assim como diodos de emissão de luz vermelho. As lentes já foram testadas em coelhos por até 20 minutos e os animais não mostraram qualquer efeitos negativo, afirmam os pesquisadores.

Teoricamente, a instalação e remoção do olho biônico seria tão simples como colocar ou tirar uma lente de contato, e, uma vez instalada, o usuário praticamente esqueceria que o gadget está ali, afirma Babak Parviz, professor assistente de engenharia elétrica da Universidade de Washington.

FONTE: IDG Now!