Início » Facebook » Aplicativo de brasileiros permite bate-papo com vídeo no Facebook

Aplicativo de brasileiros permite bate-papo com vídeo no Facebook

Google Imagens

Zook é acessado dentro da rede social sem instalação de programas. Produtora usa conexão P2P para realizar as chamadas de vídeo.

O Facebook, além de ser uma rede social, é uma ferramenta de bate-papo entre seus milhões de usuários. O fato de se poder conversar exclusivamente por meio de textos inspirou a produtora de aplicativos e games paulistana Doubleleft a desenvolver o Zook, uma plataforma de conversa de vídeos por meio dentro do site.

“A ideia foi levar o conceito do Skype para dentro do Facebook”, conta Alexandre Souza, um dos sócios da Doubleleft, responsável pelo game “Garbageman” para iPhone e iPad. “O aplicativo complementa a forma de se interagir dentro da rede social, permitindo conversar por meio de vídeos [usando webcams] com os amigos do site”.

Para utilizar o Zook, o usuário não precisa instalar nenhum programa no computador. Acessando o link do aplicativo dentro do Facebook, é necessário apenas chamar um amigo para que a conversa seja iniciada.

“Conseguimos que seu uso fosse fácil”, conta Souza. “Nada é instalado, não existe cadastro a ser feito e o amigo que receber o convite para a conversa também não precisa ter acessado o aplicativo”.

Em vez de usar servidores caros para criar o Zook, a Doubleleft utiliza conexão peer-to-peer, ou seja, diretamente entre os dois computadores, para a conversa por meio de vídeo. “Não precisamos criar uma estrutura monstruosa de servidores. Isso fez com que o acesso entre os dois usuários fosse mais rápido. Tivemos alguns bugs com a sincronização do áudio e do vídeo no início, mas conseguimos solucionar o problema”, afirma Souza.

A equipe da Doubleleft levou cerca de um mês para lançar o Zool, que já está no ar há três semanas. Sem divulgação, segundo, Souza, mais de 3 mil pessoas já utilizam o serviço. Agora, os sócios da empresa pensam em meios de ganhar dinheiro com a criação. “Estudamos maneiras de oferecer anúncios. Como a ferramenta é feita em Flash, pensamos em usar detecção de face para, no caso de uma loja de óculos, brincar com o usuário oferecendo um modelo, por exemplo. O que não queremos é ‘sujar’ a experiência do usuário”.

Ele afirma que não há preocupação com o Facebook, que pode estar criando um serviço similar. “Para criar o programa, não é necessário ter autorização mas, sim, seguir algumas regras do site. Construímos com base nisso e não estamos infringindo nenhuma restrição”.

O próximo passo, segundo Souza, é desenvolver a plataforma para iPhone e Android, permitindo que usuários do Facebook nestes dispositivos possam conversar com amigos gratuitamente.

Via G1

Compartilhe...

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram

Veja também...