James Cameron vai gravar vídeo 3D no ponto mais profundo da Terra

Diretor de ‘Avatar’ vai descer 11 km no oceano Pacífico para filmar documentário.

James Cameron vai descer 11 km de profundidade no Oceano Pacífico (Foto: Divulgação)
James Cameron vai descer 11 km de profundidade no Oceano Pacífico (Foto: Divulgação)

Muita gente deve ter se emocionado ao acompanhar filmes como “Tianic” (1997) e “Avatar” (2009). Ambos ostentam os títulos de maiores bilheterias de toda a história do cinema mundial, que juntos geraram mais de US$ 4,62 bilhões de dólares.

O diretor das adaptações, James Cameron, ganhou notoriedade mundial por esses e outros filmes de grande sucesso. Mas agora o canadense partirá para um projeto completamente diferente: marcada para este mês de março, o cineasta vai embarcar em uma viagem onde tentará mergulhar sozinho na Fossa das Marianas, no oceano Pacífico, considerado o local mais profundo da Terra.

A Fossa das Marianas possui cerca de 2.550 km de extensão no leito marinho do Pacífico, e pode atingir até 11 km de profundidade. A nível de comparação, o Monte Everest, a montanha mais alta do mundo, tem 8.850 metros de altitude. Segundo a National Geographic, este é o local mais hostil do planeta e fica imerso em uma escuridão permanente.

Quem vai dirigir a expedição, intitulada “Deepsea Challenge” (“Desafio no Mar Profundo”), é a revista National Geographic. O diretor vai embarcar a bordo de um minissubmarino australiano de 8 metros de comprimento e, assim, se tornar o primeiro homem de 50 anos a atingir essa profundidade. A preparação para o mergulho vem sendo feita na Papua Nova Guiné, onde Cameron já mergulhou a cerca de 8 km.

Ao entrar no oceano, está previsto que Cameron permaneça no leito marinho por pelo menos seis horas, durante as quais fará filmagens em 3D e coletará amostras de espécies marítimas. Questionado sobre uma possível relação entre a viagem ao ponto mais profundo do planeta e as filmagens da sequência de “Avatar”, o cineasta canadense desconversou, já que o objetivo oficial é coletar amostras para pesquisadores e também capturar imagens para um documentário.

As novidades sobre a expedição podem ser vistas pelo site da National Geographic.

Via Olhar Digital