Início » “Superbateria” deixará telefone ativo por duas semanas

“Superbateria” deixará telefone ativo por duas semanas

Imagem Divulgação

A empresa americana Lilliputian Systems se prepara para lançar uma fonte de energia portátil que é capaz de recarregar a bateria de um smartphone entre 10 e 14 vezes antes de precisar, ela própria, ser recarregada.

O dispositivo, que usa tecnologia de célula de combustível, tem o tamanho de um celular. Por meio de um conector USB, ele será capaz de fornecer energia a qualquer aparelho compatível com esse padrão.

A Lilliputian foi fundada dez anos atrás por pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o MIT. Seu objetivo era transformar em produto a tecnologia de célula de combustível de silício inventada no laboratório de pesquisa. A “superbateria” criada pela empresa será vendida nos Estados Unidos pela rede de lojas Bookstone com a marca da varejista.

O dispositivo usa butano como combustível. É um dos componentes do gás liquefeito de petróleo, queimado na maioria dos fogões brasileiros. Esse combustível será vendido em cartuchos descartáveis do tamanho de um isqueiro. A empresa não divulgou o preço da fonte de energia, mas diz que cada cartucho deverá custar alguns dólares nos Estados Unidos.

Células de combustível são usadas há décadas para produzir energia para satélites artificiais e equipamentos militares. Também têm sido usadas, experimentelmente, para alimentar veículos elétricos. Seu alto custo, no entanto, tem inviabilizado o uso mais amplo. A Lilliputian é uma das empresas que vêm buscando baratear essa tecnologia para que possa ser empregada em produtos de consumo.

Outras companhias – como a MTI Micro, que também desenvolve uma célula de combustível para dispositivos eletrônicos – usam uma tecnologia diferente, em que o combustível é o metanol. A Toshiba chegou a vender, no Japão, um carregador de beteria movido a metanol – o Dynario – em 2009. Um dos problemas do Dynario é que ele custava cerca de 300 dólares, preço obviamente alto demais.

O outro problema é que o artefato da Toshiba ainda não tinha aprovação para uso em aviões, já que havia dúvidas quanto à segurança. Agora, a Lilliputian diz que tanto sua fonte de energia como os cartuchos de combustível foram certificados para uso em aeronaves. Eles estarão sujeitos às mesmas normas que regulam o transporte de isqueiros, por exemplo.

A base da célula de combustível da Lilliputian é uma lâmina de silício onde ocorrem as reações químicas que produzem a eletricidade. A lâmina é fabricada pela Intel, dona de uma parte da Lilliputian.

Nesse reator químico com o tamanho de uma bateria de 9 volts, o butano é decomposto em hidrogênio e monóxido de carbono. Depois, esses dois gases reagem com o oxigênio do ar, liberando vapor d’água e gás carbônico. Essa segunda reação química produz tensão elétrica no circuito de silício.

Se esse tipo de fonte de energia realmente tiver um custo viável e puder fornecer corrente elétrica estável, seu uso poderá se tornar muito mais amplo. Poderá substituir as baterias dos laptops e até dos carros elétricos, por exemplo.

Mas a relutância da Lilliputian em divulgar uma previsão de preço é um indício de que, talvez, isso não vá acontecer logo. Em 2010, a empresa chegou a dizer que essa fonte de energia portátil custaria por volta de 100 dólares nos Estados Unidos. E alguns especialistas acham que o preço pode ser até mais alto.

Via: Info

PUBLICIDADE

Compartilhe...

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Afraneo Galan

Afraneo Galan

Fundador da Lemonblue, atua com internet e marketing digital há mais de 15 anos. Formado em Comunicação Digital, já trabalhou com grandes clientes e portais de conteúdo como G1, Globo.com, Claro, MTV e Oi FM.
PUBLICIDADE

Buscar notícia

PUBLICIDADE