Início » Tablet » Tablet da Sony aposta em design ergonômico

Tablet da Sony aposta em design ergonômico

Tablet S tem configuração já defasada, mas tem carcaça agradável de manusear

Avaliação

  • PRÓS Ergonômico; leve; interface de qualidade
  • CONTRAS Sem 3G; sem HDMI
  • CONCLUSÃO Aparelho com design confortável, mas com configuração já defasada
Sony Tablet S
Imagem Divulgação

Enquanto vários fabricantes se inspiram (alguns até demais) no design do iPad, a Sony ousa no formato do seu tablet. O perfil do Tablet S é o de uma cunha, com a espessura variando de 0,9 a 2 centímetros. Esse desenho faz com que ele fique levemente inclinado na posição horizontal, facilitando a digitação. Na vertical, a vantagem é a maior firmeza e o conforto para agarrá-lo com a mão esquerda na lateral mais grossa e arredondada. O peso é 11% menor do que o do novo iPad. O que depõe contra o design do Tablet S é o acabamento em plástico da traseira. A configuração do modelo é boa, principalmente pelo Android 4 Ice Cream Sandwich, a versão mais recente do sistema do Google. Os 32 GB de memória interna podem ser expandidos com cartão SD. Outro recurso bacana é o infravermelho para transformar o tablet em controle remoto universal. O Tablet S não tem 3G e nem saída HDMI. O carregador de energia parece uma fonte de laptop.

Imagem Divulgação

Enquanto a maioria dos fabricantes aposta em um layout ultrafino e compacto para seus tablets, a Sony decidiu ressaltar a ergonomia em uma carcaça no mínimo inusitada. Com um lado mais espesso que outro, muito similar à lombada de um livro ou uma revista dobrada, o Tablet S é de fato muito bom de manusear. Pesando 593 gramas, o tablet “gordinho” é mais leve que o iPad 2, Xoom 2 e muitos concorrentes com tela de 9 ou 10 polegadas. Por sua lateral mais espessa, segurar o tablet na vertical para a leitura de um livro, revista ou navegação na web é muito confortável. A Sony destaca a inclinação natural da tela como ideal para digitação. No entanto, para proporcionar um uso de fato confortável sobre a mesa, a inclinação deveria ser muito maior. Nesse ponto não há uma vantagem tão grande.

Lançado no segundo semestre de 2011, o Tablet S chega ao Brasil com uma configuração já ultrapassada pela concorrência. Com tela de 9,4 polegadas e resolução de 1.280 por 800 pixels, o dispositivo tem como principal trunfo a versão mais atual do Android, a Ice Cream Sandwich e uma boa interface. O Nvidia Tegra 2, com processador de dois núcleos de 1 GHz e uma GPU ULP GeForce, executa aplicativos, vídeos e jogos sem grandes problemas. Os engasgos acontecem quando muita coisa funciona ao mesmo tempo.

Imagem Divulgação

Mesmo sem saída HDMI, o apelo multimídia do Tablet S é grande. Munido de um sensor infravermelho, o tablet funciona como um controle remoto universal. Com ele é possível ajustar TVs, aparelhos de som e um bom número de eletrônicos. Com uma interface simples, o software que gerencia essa função é fácil de usar e bastante intuitivo. A compatibilidade com produtos Sony é completa, mas há também aparelhos de outras marcas.

Imagem Divulgação

Para enviar vídeos e fotos para a TV o dispositivo depende do protocolo DLNA. O acesso a arquivos e envio para gadgets compatíveis ocorre sem grandes problemas. Um defeito é a incapacidade em reproduzir legendas no formato srt. O player de vídeo nativo reproduz os formatos MOV e DivX em 1.080p e arquivos MKV, AVI e MPEG4 em 720p.

Uma versão reduzida da PlayStation Network garante o acesso do tablet a jogos clássicos dos consoles da Sony, como o Crash Bandicoot (já instalado). A adaptação não é tão boa quanto a que vemos no XperiaPlay, smartphone da Sony com forte apelo para os games.

Com duração de bateria registrada em 5 horas e 11 minutos nos testes do INFOlab, o tablet da Sony ficou devendo energia. O resultado ficou abaixo da maioria dos concorrentes, até mesmo dos com telas maiores.

Via INFO

Compartilhe...

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram

Veja também...