Categorias
Curiosidades

144,8 bilhões de e-mails são enviados diariamente no mundo

Imagem Divulgação

Deste número, cerca de 65% são mensagens de spam

No correria do cotidiano, muitas vezes passa despercebida a quantidade de e-mails enviados diariamente. Mas você já parou para pensar no número de mensagens trocadas diariamente pelo correio eletrônico pelos usuários do mundo inteiro? O número é assustador: são cerca de 144,8 bilhões de e-mails enviados por dia no planeta.

A informação é de um infográfico do site Mashable também traz outras informações curiosas sobre os e-mails no mundo. Destes 144,8 bilhões, 89 bilhões são profissionais e 55,8 bi são pessoais.

Além disso, já foram registradas 3,3 bilhões de contas de e-mail desde sua invenção em 1971. Deste número, 75% são profissionais e 25% pessoais.

Outro número interessante levantado no gráfico é que 65% de todo o tráfego de e-mails do mundo consiste de spam. Entretanto, a grande maioria destas mensagens é retida pelos filtros e não chegam ao usuário final.

Imagem Divulgação

Via: Olhar Digital

Categorias
Tecnologia

Bem-vindo ao mundo da ficção científica

Estamos inseridos no chamado turbocapitalismo, uma saborosa mistura de Blade Runner, com duas xícaras de Segredo do Abismo, três colheres de Avatar e uma pitada de Matrix

Imagem Divulgação

Marcos Hiller*

Em 1964, o visionário professor Marshall McLuhan disse que “na espaçonave Terra, não há passageiros; somos todos tripulação”. Impressionante a nitidez da fala do pesquisador canadense, que estaria com um século de vida esse ano, em delinear uma visão tão lúcida e contemporânea como essa já na década de 1960. E essa sua célebre frase traduz de maneira muito pertinente o verdadeiro universo de ficção científica em que vivemos hoje. Não somos meros passageiros passivos e olhando pela janelinha dessa imensa espaçonave, mas sim seres humanos altamente participativos, prontos para performar e modulando o tempo todo a cena em que estamos inseridos.

Vivemos em um planeta conectado, mas norteado pela constante interrupção. Ao mesmo tempo em que estamos hiperconectados, somos interrompidos por toques, notificações, pop-ups, sirenes e alarmes. Estamos em um mundo veloz, sintético e ansioso, regido por 140 caracteres. Concentrar-se por mais de 20 minutos em uma única atividade é tarefa para poucos. Os jovens, ou nativos digitais, só conseguem ser criativos com 17 abas abertas em suas telas, com a TV ligada, atirando passarinhos com um estilingue e com iPod no ouvido para nossa alegria. Nós nascemos em uma era analógica e estamos migrando para uma digital, na qual eles já nasceram.

Estamos entrando, de modo contundente, em uma nova cultura do espetáculo, da configuração da economia, da sociedade e da política, que envolve novas formas culturais e modelos de experiência. “A chamada era da informação é, na realidade, a do excesso de informação”, disse, com muita serenidade, Paulo Vaz, pesquisador da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), há 10 anos. Nosso cérebro e nossa cognição simplesmente não dão conta de tamanho volume de informação que nos tentam impactar por dia. Por exemplo, uma edição de domingo do The New York Times contém mais informação do que a absorvida ao longo da vida por um indivíduo culto no século XVIII.

Vive-se em um universo hiperconectado, onde as máquinas falam e os homens comunicam-se por meio de próteses artificiais. As novas gerações incorporam plenamente essas tecnologias e as colam ao corpo como um elemento a mais de suas roupas: calças, jaquetas e mochilas são fabricados com lugar para o celular. A moda faz com que a corporabilidade abrigue as tecnologias. Quando chego diante da porta de um shopping e ela se abre sozinha, ou quando abro meu carro com o botãozinho e o bip do chaveiro, não é isso que está abrindo a porta, é meu corpo, é uma extensão do meu braço, como se eu fosse Anakin Skywalker, provido de uma força sobrenatural.

Bem vindo à era do YouTube, o canal de televisão mundial. O Twitter é a maturação da internet e posso me conectar e ser ouvido por qualquer pessoa do Planeta. Estamos o tempo todo diante de telas, painéis e tecnologias touch-screen e entramos no epicentro da era do consumo simbólico. Quando as pessoas adquirem um iPhone, por exemplo, estão não apenas comprando um aparato tecnológico, como também vivenciando certo estilo de vida (digital) e se inscrevendo num imaginário tecnológico que enfatiza as ideias de inovação, elegância e distinção econômica, diz com muita sabedoria o pesquisador Erick Felinto daUERJ.

As pessoas, nessa sociedade intensa e paradoxal, buscam uma fixação narcísica por meio das redes sociais, e as marcas também procuram adotar jogos discursivos sedutores nesses novos e envolventes espaços digitais, dizia também McLuhan há 50 anos. E com a explosão das redes sociais, fenômenos desse século, vemos essa sábia frase de McLuhan cristalizada de forma sublime. Esses novos ambientes virtuais são baseados em plataformas digitais e dispositivos interativos móveis de compartilhamento de arquivos e informações são exemplos muito claros dessa condição social-histórica imprecisa, hesitante e incompleta, complementa Felinto.

Já Sherry Turkcle, uma brilhante cientista do MIT, diz que com muita pertinência que nós estamos “always on”. E quando estamos conectados, estamos na verdade, negando uma certa solidão. Se estou sozinho em casa logado no meu Facebook, eu não estou mais sozinho, estou fazendo parte da vida de outras centenas de pessoas e de forma muito íntima. A tecnologia, ao mesmo tempo que nos aproxima de pessoas queridas, nos distancia delas. Outro grande pensador contemporâneo, o argentino Nestór Garcia Canclini diz que “chega-se a fenômenos de autismo e desconexão social, devido às pessoas preferirem antes ficar na frente da tela do que relacionar-se com interlocutores em lugares fisicamente localizados”. O fato de eu estar conectado o tempo todo não significa que estou interagindo o tempo todo. E nesse universo, muito mais importante do que estarmos simplesmente presentes nas atraentes e viciantes redes sociais, é preciso saber o que fazer lá, saber estar presente de forma relevante e coerente.

Vive-se em um mundo de histórias que se iniciam e não finalizam, cada vez mais interligado por intercâmbios de ordem mercadológica. Todo mundo praticamente está ocupado all the time fazendo business com tudo: diversão, conhecimento, avatares, casamento, sexualidade, estética, reprodução, saúde, beleza, identidade, ideias. As pessoas se tornam um verdadeiro empreendimento comercial nesse novo contexto que vivemos, e com a cauda longa de Chris Anderson mais forte do que nunca. As sociedades vivem hoje um processo de reorganização, sobretudo no âmbito cultural, social, econômico e político, e fica muito evidente como esses fenômenos tecnológicos, como a explosão de redes sem fio, por exemplo, aceleram a dinâmica das relações, onde posso postar tudo que eu quiser, onde eu quiser e na hora que quiser. Não queremos mais estar sucumbidos na impessoalidade da massa, pois agora quero estar conectado apenas com pessoas e marcas que ajam como eu ajo.

Bem-vindo! Estamos inseridos no chamado turbocapitalismo, uma saborosa mistura de Blade Runner, com duas xícaras de Segredo do Abismo, três colheres de Avatar e uma pitada de Matrix. May the force be with us!

*Marcos Hiller é coordenador do MBA Gestão de Marcas (Branding) da Trevisan Escola de Negócios (@marcoshiller).

Via: Olhar Digital 

Categorias
Internet

Vírus pode deixar 350 mil Pcs sem internet em julho

O FBI anunciou que irá desativar uma grande rede de servidores temporários que poderão afetar a conexão de mais de 350 mil usuários em todo o mundo.

A rede foi descoberta pelo FBI como parte de uma grande trama de servidores focados em pirataria de conteúdos e que terá todos os seus arquivos apagados a partir de 9 de julho.

Os usuários podem checar se seus computadores se incluem nessa listagem por meio de um site criado pela própria polícia federal americana.

A interrupção está ligada à operação “Ghost Click”, que em novembro prendeu seis cidadãos estonianos acusados de fraudes online e responsáveis por infectar milhares de computadores em todo o mundo por meio de um código malicioso chamado “DNS Changer”.

Esse código facilitava a entrada de vírus no sistema do usuário. Segundo o FBI, os crackers utilizaram este meio para manipular e fraudar publicidade na rede, obtendo assim mais de US$ 14 milhões em receitas ilegais.

De acordo com o FBI, mais de 350 mil computadores continuam infectados, sendo 85 mil somente nos Estados Unidos, onde o vírus atingiu até máquinas da NASA.

O FBI ativou um servidor temporário para evitar uma interrupção abrupta entre os computadores infectados. Desta forma, é aconselhável verificar se sua máquina se encontra nessa listagem. Caso positivo, o usuário deve iniciar uma varredura na máquina com a ajuda de um software de segurança e limpar os arquivos antes do dia 9 de julho, quando os servidores serão completamente apagados.

Via Info